top of page

Especialista fala com exclusividade sobre os traumas gerados na pandemia


Rossandro Klinjey é palestrante, escritor e psicólogo clínico. Fenômeno nas redes sociais, seus vídeos já alcançaram a marca de mais de cem milhões de visualizações. Autor vários de livros, sendo os mais recentes, “As cinco faces do Perdão, Help: me eduque!” e “Eu escolho ser feliz”.


É consultor da Rede Globo em temas relacionado a comportamento, educação e família, além de colunista da Rádio CBN. Foi professor universitário por mais de dez anos, quando passou a se dedicar à atividade de palestrante, no Brasil, na Europa e nos Estados Unidos.

Tendo em vista, os vários traumas adquiridos na pandemia por boa parte da humanidade, que eu convidei o especialista Rossandro Klinjey, para falar amplamente sobre temas como; maturidade emocional e a importância do auto perdão dentre outros assuntos.


O que é maturidade emocional?

R: Costumo afirmar com convicção que a maturidade emocional é uma jornada de autodescoberta e uma poderosa escolha pessoal. Ela pode ser descrita como a habilidade intrínseca de reconhecer, compreender e lidar de maneira harmoniosa com nossas próprias emoções e as emoções dos outros. É o domínio de um indivíduo sobre seus sentimentos, permitindo que ele os identifique, nomeie e expresse de forma assertiva, evitando reações impulsivas ou explosivas. Uma pessoa emocionalmente madura não se deixa arrastar pelo caos dos comportamentos explosivos alheios. Ela compreende profundamente que agir no mesmo tom apenas alimentaria um desequilíbrio ainda maior. Ao invés disso, mantém-se serena diante das provocações, pois entende que as ações dos outros são reflexo de seu próprio estado emocional. A maturidade emocional alicerça a capacidade de não se deixar levar por impulsos momentâneos, aguardando o momento adequado para uma conversa genuína e construtiva.


No entanto, quando a oportunidade para a comunicação sincera não se apresenta, o indivíduo emocionalmente maduro compreende que isso decorre da incapacidade emocional do outro. Em vez de se frustrar, encontra serenidade na aceitação de que cada pessoa trilha seu próprio caminho de crescimento. Essa compreensão profunda permite que ele permaneça firme em sua busca pela autenticidade e crescimento pessoal, independentemente das circunstâncias externas. A maturidade emocional é, portanto, um estado de ser que transcende as aparências e nos guia para uma conexão mais profunda com nossa própria essência. É um convite para abraçar a paz interior, cultivar relacionamentos genuínos e construir uma vida ancorada na sabedoria emocional. Ao escolher trilhar esse caminho, somos capazes de influenciar positivamente não apenas nossa própria jornada, mas também o mundo ao nosso redor.


Como uma pessoa pode adquirir maturidade emocional?

R: A busca pela maturidade emocional é uma jornada fascinante e desafiadora. Não existe uma fórmula mágica para alcançá-la, pois somos seres complexos, moldados por experiências diversas. No entanto, sabemos que a construção dessa maturidade requer um compromisso diário consigo mesmo, um mergulho profundo no autoconhecimento, no autodesenvolvimento e na persistência. É fundamental compreender por que certas situações ou pessoas nos tiram do equilíbrio emocional. Investigar as fragilidades que permitimos que outros explorem, dominando nossa paz interior. O autoconhecimento nos capacita a reconhecer os sinais de vulnerabilidade e perigo emocional, como um sensor de carro alertando para o perigo iminente, e nos orienta a buscar uma fuga saudável dessas situações. Entretanto, é importante ressaltar que esse processo não acontece da noite para o dia, nem se resume a uma simples decisão. A mudança efetiva requer tempo e consolidação de uma vontade interior, muitas vezes silenciosa, porém profundamente consciente. Aqueles que decidem deixar de reclamar da vida, por exemplo, podem ainda enfrentar momentos de fraqueza em que recaem em velhos hábitos. Nesses momentos, é crucial ter empatia e compaixão por si mesmo, compreendendo que a transformação exige paciência e persistência.


Não existe uma fórmula universal, pois cada pessoa possui uma trajetória única de vida e experiências. À medida que nos aprofundamos no autoconhecimento, aprendemos a regular nossas emoções, a nos acolhermos e a tomar decisões mais assertivas. Compreendemos também as limitações daqueles que ainda não alcançaram essa conquista interna, e isso nos permite exercer empatia e compreensão.


Você escreveu vários livros, dentre os quais, ‘As 5 Faces do Perdão’. A seu ver, as pessoas têm se perdoado mais e perdoado o seu próximo? Quais os passos para se chegar as duas formas de perdão?

R: A humanidade encontra-se profundamente adoecida em suas emoções, buscando escapar de seus sentimentos de todas as maneiras possíveis. Seja através do trabalho excessivo, como uma forma de distração ou até mesmo como uma fuga da própria vida, ou por meio do vício nas redes sociais e nas drogas. Essa busca incessante é acompanhada por uma velocidade frenética de viver, deixando pouco espaço para a verdadeira vivência emocional. Diante desse cenário, como podemos falar sobre perdão? Após quase duas décadas de atendimento em consultório e tendo ensinado a mais de 10 mil alunos em meus cursos de aperfeiçoamento emocional, percebo, a cada encontro, que o tempo passa, mas as pessoas continuam sofrendo as mesmas dores. Isso é resultado da falta de perdão, tanto em relação aos outros quanto a si mesmas.


Muitas ainda veem o perdão como uma fraqueza, como se estivessem concedendo uma "vitória" ao agressor, quando, na verdade, o perdão é um sinal de maturidade emocional. É compreender que aquele que nos feriu não possui o repertório emocional para ser diferente do que é e agir de forma distinta. Perdão é aceitar que o passado não pode ser alterado. Ficar remoendo essas memórias e revivendo emocionalmente a dor não mudará nada. É deixar de lado a ferida para que ela se torne uma cicatriz indolor, uma marca do que aconteceu conosco, mas sem viver constantemente sob o domínio do mal que nos foi infligido. Se pudéssemos comparar o perdão aos contos de fadas, seria como alguém nos oferecendo uma "poção mágica" que nos transformaria em sapos.


Ao tomá-la, nos tornamos anfíbios. No entanto, ao olharmos ao nosso redor, descobrimos outra poção capaz de nos devolver a forma humana. Ao bebê-la, voltamos a ser humanos, mas trazemos conosco a experiência de ter sido vítimas e buscado a "libertação" do mal. Não perdoar é permanecer ao lado do antídoto e recusar-se a tomá-lo, vivendo eternamente como sapos. Em outras palavras, é continuar sob o efeito do mal que nos foi infligido. O perdão e o auto perdão são sinais de uma profunda conexão com nossa própria essência. São atos de coragem, compaixão e amor-próprio. Ao perdoarmos, não estamos justificando as ações daqueles que nos machucaram, mas sim libertando-nos do fardo do ressentimento e abrindo espaço para a cura interior.


O auto perdão é igualmente essencial, permitindo-nos reconhecer que somos humanos, sujeitos a erros e aprendizados, e que merecemos a oportunidade de seguir em frente com leveza e gratidão. A jornada da maturidade emocional e do autoconhecimento requer a coragem de olhar para dentro de nós mesmos, enfrentar nossas feridas mais profundas e, através do perdão, transformar cicatrizes em símbolos de superação e crescimento.


Com a hiper abundância de informações, acesso as redes de maneira até obsessiva, percebe-se que as pessoas estão cada dia mais distantes umas das outras. Nesse sentido, há como reverter este quadro, teremos que lidar com esta nova realidade fazendo uma readequação?

R: Chegará o momento em que a humanidade perceberá que passou mais tempo sonhando do que realizando. As palavras sábias de Carl Gustav Jung ressoam em nossos corações: "Aquele que olha para fora sonha. Mas o que olha para dentro acorda." Vivemos imersos em realidades paralelas, perdendo horas preciosas em distrações, mas a vida nos traz pequenos "apagões", momentos em que somos chamados à realidade. Seja quando a internet falha, as redes sociais saem do ar ou quando a dor se faz presente de forma intensa. Somos seres interligados, compartilhando dores universais, mas cada um de nós possui uma percepção singular. Estamos vivendo os efeitos de uma pandemia que impactou famílias de maneiras diversas. Todos fomos afetados de alguma forma, mas nem todos experimentaram uma verdadeira transformação interior.


A mudança, o despertar de uma sociedade, ocorre gradualmente, de indivíduo para indivíduo. É chegada a hora de assumirmos a responsabilidade por nossas vidas, de olharmos para dentro e despertarmos para a realidade que nos cerca. É essencial não nos perdermos na sociedade da hiper informação, mas sim encontrarmos o equilíbrio entre o mundo exterior e nosso mundo interior.


Devemos buscar a sabedoria que nasce da autodescoberta e da conexão profunda com nossa própria essência. Ao nos reconectarmos com nosso eu verdadeiro, abrimos caminho para a realização dos nossos sonhos e potenciais. Somos chamados a despertar para uma vida autêntica e significativa, em que nossas ações se alinhem com nossos valores e propósitos. Nesse despertar, encontramos a coragem de enfrentar as adversidades, a compaixão para com os outros seres humanos e a responsabilidade de contribuir para um mundo melhor. Portanto, neste momento de transformação, convido você a olhar para dentro, a despertar para a realidade que pulsa em seu ser. Seja o agente de mudança que tanto anseia ver no mundo, pois cada indivíduo desperto é uma luz que ilumina o caminho para uma sociedade mais consciente e compassiva. A jornada começa em seu interior e se expande para além das fronteiras do seu ser, conectando-se com a teia de interdependência que nos une a todos.


Quais são os benefícios e os malefícios da conexão com as redes na dinâmica das relações interpessoais?

R: Há uma dualidade evidente no uso das redes sociais e da internet em geral, e é importante reconhecê-la sem demonizar totalmente essas ferramentas. Como vivenciei durante um voo, a tecnologia pode ser uma ponte que aproxima pessoas, permitindo-nos manter conexões e fortalecer relacionamentos mesmo à distância. Pude conversar com minha esposa, compartilhar informações e estabelecer planos para quando nos encontrássemos. Foi uma experiência de união facilitada pelo avanço tecnológico. No entanto, presenciei outro lado dessa realidade enquanto observava um jovem ao meu lado, absorto em um jogo virtual.


Ele estava escolhendo uma namorada para seu avatar, enquanto sua parceira na vida real opinava sobre qual personagem se assemelhava a ela. Ali, diante de mim, se apresentaram duas maneiras distintas de relacionar-se com o mundo digital. Isso ilustra claramente como a internet e as redes sociais são utilizadas de acordo com a maturidade emocional de cada indivíduo. Aqueles que possuem uma conexão genuína consigo mesmos utilizarão a internet como uma aliada para encurtar as distâncias físicas e fortalecer os laços afetivos com aqueles que amam. Por outro lado, aqueles que estão desconectados de si mesmos buscarão nas redes uma forma de escape, criando uma "realidade" virtual na tentativa de exercer um suposto "controle" sobre suas vidas. A grande verdade subjacente a tudo isso é que aqueles que se amam e estão verdadeiramente conectados continuarão a fortalecer seus vínculos através do uso consciente dessas ferramentas.


Porém, aqueles que estão desconectados de si mesmos, mesmo tendo a oportunidade de compartilhar momentos reais ao lado das pessoas que amam, vivenciarão experiências de desconexão com a realidade. Portanto, cabe a cada um de nós refletir sobre como utilizamos a tecnologia e as redes sociais. É um chamado para a autenticidade e o autoconhecimento, para cultivarmos relacionamentos reais e significativos, e para estarmos presentes de forma genuína na vida daqueles que amamos. Não podemos permitir que as redes sociais se tornem uma ilusão que nos afasta da realidade, mas sim uma ferramenta que nos aproxima, amplia nossa visão de mundo e nos permite enriquecer nossas conexões humanas. É um convite para encontrarmos o equilíbrio entre o mundo virtual e o mundo real, honrando a essência daquilo que é verdadeiramente importante em nossas vidas.


Lidar com um mundo cada dia mais digital pode ou já tem tornado as pessoas mais intolerantes uma com as outras?

R: A internet não é responsável por criar intolerância, mas sim por amplificar e expor aquilo que já está presente dentro de cada pessoa. Ela permite que sentimentos de intolerância se manifestem e sejam nomeados. Por exemplo, alguém que não tem habilidades culinárias pode assistir a um canal de culinária no YouTube, como o da Paola Carosella, e sentir-se inspirado a se tornar um cozinheiro, caso tenha interesse e afinidade com o assunto.


Por outro lado, se não houver interesse, a ideia será simplesmente rejeitada. No entanto, o perigo reside especialmente entre crianças e adolescentes, que podem adotar comportamentos que não aprovam apenas para serem aceitos por determinados grupos.


Eu, juntamente com meu amigo Jaime Ribeiro, sou cofundador de uma empresa de Educação Socioemocional chamada Educa. Diariamente, recebemos pais preocupados com essa questão. Temos uma escola de educação parental, uma espécie de "Netflix" do assunto, com especialistas explicando como abordar esses problemas com os filhos, e essa dúvida é uma das mais frequentes. É importante compreender que a internet é um espaço onde as pessoas podem manifestar quem realmente são. Se alguém possui tendências de preconceito ou intolerância, essa pessoa pode até criar uma personalidade falsa no ambiente digital, mas, inevitavelmente, ela buscará conectar-se com pessoas que compartilham de suas ideias, já que muitas vezes, no âmbito familiar ou no trabalho, ela se depara com indivíduos que não compartilham dessas mesmas visões.


Por medo de punição ou de não serem aceitas, elas se omitem. Na internet, assim como na vida real, existem grupos de pessoas que agem dessa maneira. Quando falávamos sobre bullying na escola, não nos referíamos a uma única pessoa praticando bullying, mas sim a um grupo, pois havia aqueles que praticavam e outros que os apoiavam. Essas dinâmicas também ocorrem no ambiente digital, porém com um alcance ainda maior, uma vez que as conexões são mais amplas do que o número de alunos em uma sala de aula. Isso acaba criando a impressão de que esses comportamentos são mais prevalentes. Além disso, no ambiente digital, as pessoas podem criar múltiplos perfis, o que intensifica as sensações de violência e vulnerabilidade.


Em contrapartida, no ambiente presencial, o valentão da escola era apenas uma pessoa, enquanto o grupo era um grupo, e ele não poderia fingir ser maior do que realmente era. Diante dessas reflexões, torna-se essencial compreender que a responsabilidade está em nós mesmos, enquanto indivíduos e como sociedade. Devemos cultivar o diálogo aberto, a empatia e a conscientização para combater a intolerância e o ódio que se manifestam nas redes sociais. É um convite para educarmos nossas crianças e jovens sobre os impactos emocionais e sociais das interações virtuais, incentivando-os a desenvolverem habilidades socioemocionais que promovam relacionamentos saudáveis e respeito mútuo. Ao fazermos isso, estaremos construindo uma cultura digital mais inclusiva e compassiva, onde as diferenças são celebradas e as vozes de todos são respeitadas.


Será um espaço em que a conexão virtual servirá como um meio para promover o entendimento, a colaboração e o crescimento mútuo. Uma cultura em que a autenticidade e a bondade prevalecem, e onde cada interação online se torna uma oportunidade de fortalecer os laços humanos e inspirar-se mutuamente. É um chamado para que cada um de nós seja um agente de mudança, promovendo a empatia, o diálogo construtivo e a disseminação de mensagens positivas e construtivas. Juntos, podemos transformar a internet em um espaço de conexão significativa e crescimento pessoal, construindo um futuro digital que seja verdadeiramente inspirador e benéfico para todos.


Quais são as principais indicações que o senhor faz, enquanto psicólogo, para as pessoas que se encontram deprimidas, com transtorno de ansiedade e síndrome do pânico?

R: A resposta para essa pergunta complexa e dolorosa reside na busca por ajuda. Embora a depressão, o transtorno de ansiedade e a síndrome do pânico sejam realidades distintas, se eu tivesse que oferecer uma resposta única a todas as pessoas que enfrentam essas dores, seria diretamente para que buscassem auxílio. Um dos principais desafios que a humanidade enfrenta diariamente é minimizar suas próprias dores. No entanto, ignorar ou suprimir essas dores não as faz desaparecerem.


Ao contrário, elas continuam a afetar nossa existência, muitas vezes de maneira invisível a olho nu, até que, em algum momento, essas dores ocultas se tornem insustentáveis. Em um mundo que está despertando para a importância da saúde mental, é fundamental compreender que o bem-estar vai além do aspecto físico. Precisamos cuidar de nossas emoções sem nos preocuparmos com julgamentos externos. Aqueles que estão sofrendo não são capazes de compreender plenamente as necessidades dos outros. Porém, aqueles que já trilharam o caminho do autoconhecimento, que conquistaram uma profunda compreensão de si mesmos e encontraram equilíbrio em seus corações, são capazes de reconhecer quando alguém precisa de um tempo para si, de uma mão amiga e de cuidado. No entanto, ainda existem muitas pessoas que permanecem adormecidas, desconhecendo até mesmo o nome de suas próprias dores.


Portanto, a resposta para aqueles que enfrentam essas batalhas internas é buscar ajuda. Não há vergonha ou fraqueza em admitir que precisamos de suporte emocional e profissional. É um ato de coragem e autocompaixão reconhecermos que estamos enfrentando dificuldades e buscar as ferramentas e recursos necessários para nossa cura. Ao buscar ajuda, abrimos portas para a esperança, a compreensão e a possibilidade de uma vida plena e significativa. Nesse processo, é importante lembrar que somos seres únicos e que cada jornada de cura é pessoal e individual.


O caminho para a saúde mental envolve terapeutas, profissionais especializados e comunidades de apoio que possam nos auxiliar. É um processo de autocuidado contínuo, em que abraçamos nossa vulnerabilidade, nos conectamos com nossas emoções e buscamos as ferramentas que nos permitirão trilhar um caminho de cura e autodescoberta. Portanto, se você está enfrentando essas dores, saiba que você não está sozinho. Busque ajuda, confie no poder de sua própria jornada de cura e abra espaço para a transformação. A vida pode ser bela, e a luz do autoconhecimento e do cuidado emocional pode iluminar o seu caminho rumo à cura e à felicidade duradoura.


Considerações finais? Quais as suas redes sociais, sites no qual as pessoas podem encontrá-lo?

R: João, gostaria de expressar minha gratidão pelo apoio e carinho que você tem dedicado ao meu trabalho, assim como pela forma como você o compartilha com seu público. Quero enviar um abraço caloroso aos seus leitores e seguidores, reforçando o convite que você faz para que eles me acompanhem em minhas redes sociais: @rossandroklinjey. Estou presente no Instagram, TikTok, Twitter e YouTube. Aos domingos, apresento um programa especial chamado "Cuidando da Alma", que vai ao ar, ao vivo, às 10:00 da manhã, como mais de 110 epiósidos que estão todos no me canal do YouTube. Já são mais de 2 anos de transmissão! Convido também os leitores e leitoras a acompanharem minha coluna na CBN, junto com a Petra Chaves, chamada "Divã de Todos Nós", que vai ao ar aos domingos, às 13h10.


Além disso, todas as quartas-feiras, às 16h15, tenho o programa "Saúde Integral". Essas duas colunas, assim como o "Cuidando da Alma", também estão disponíveis nos principais tocadores de podcast, como o Spotify, Apple Podcasts, Deezer, entre outros. Espero que todos encontrem inspiração, conhecimento e momentos de reflexão em meu conteúdo. É uma honra poder compartilhar essas experiências e contribuir para o cuidado da alma e da saúde integral. Mais uma vez, agradeço imensamente pelo seu apoio e pela oportunidade de me conectar com seu público maravilhoso.


Estou ansioso para receber a todos em minhas redes e compartilhar essa jornada de crescimento e bem-estar juntos.


Comments

Rated 0 out of 5 stars.
No ratings yet

Add a rating
bottom of page