RESILIÊNCIA

Atualizado: Mai 19

Por Laci Sidney Vianna


Todos vamos morrer... Alguns mais cedo, outros mais tarde. Mas, em sua maioria, os que conhecemos e, por vezes, nos mesmos já estamos mortos... Seres vivos, mas que por crenças negativas limitantes, nunca tendo parado para analisar o caminho certo a trilhar até o sucesso pessoal e financeiro, se permitem apenas sobreviver... Não sabem o que é viver verdadeiramente... Estão vazios, com pratos cheios... Quantos já usaram a frase “Tenho estado ocupado demais...”, como se fosse uma virtude. Não é prova de importância, mas de uma gestão ineficiente do tempo. Sequer se dão conta de que, esta palavra – ocupado -, para a medicina chinesa, significa “morte lenta do coração”. Trabalhar mais de 40 (quarenta) horas semanais reduz sua saúde mental, sua eficácia, eficiência e produtividade, tanto a curto, quanto a longo prazo. É uma conclusão balizada pela ciência em estudos que contam com mais de 100 anos. O que conta não é a quantidade de horas empenhadas, mas a qualidade das que são dedicadas a qualquer área da sua vida. Não adianta você “se matar”, trabalhando 12, 14, 16 horas do seu dia. O resultado pífio na qualidade da entrega, após as 08 horas de dedicação, não surtirão grandes frutos. Ter uma vida profissional e uma vida familiar, sendo bem sucedido e sabendo transformar seu estresse e ansiedade em bem-estar e desempenho, não é algo utópico. É algo que você merece e deve se permitir ter. Porém, somente 17% da população adulta prospera, alcançando a felicidade, o sucesso e produtividade. Outros 66% dos pais com empregos dizem que não dão conta de tudo que têm para fazer; 57% sentem que não passam tempo suficiente com a família; 46% reconhecem que não têm tempo para o lazer. Estes números advém de uma constatação de um estudo sobre o tema conduzido pela Dra. Christine Carter, Ph.D, da Universidade da Califórnia, socióloga, consultora de renome, reconhecida e respeitada internacionalmente quando se trata de encontrar o Ponto de Equilíbrio.

Pausas e Intervalos para nos divertirmos mais, tirando prazer na contemplação das pequenas coisas, é essencial no dia a dia, mesmo com risos e sorrisos contidos – afinal, tempo de brincar não é só para crianças e segue como algo necessário até o fim de nossas vidas –. Nos conscientizarmos do quanto é prejudicial estarmos o tempo todo em plena atividade, matando pouco a pouco nosso coração, em sentido literal e metafísico, torna-se cada vez mais essencial. Em adultos, tais momentos de repouso e de rejuvenescimento permitem maior criatividade e produtividade, pois aumentam nossa capacidade de superação, diminuindo a ansiedade e convertendo a exaustão, a estafa e o estresse em energia produtiva e criativa... Nos vale mais uma dose pequena de trabalho, mas eficaz e produtiva, que horas e horas de trabalho exaustivo e sem grande resultado. Temos o privilégio de um tempo para nossa introspecção, que nos foi imposto pelas circunstâncias atuais. Vamos deixar de lamentar e aproveitarmos esta temporada de isolamento e redução do trabalho convencional de escritório, de tempo perdido em deslocamentos no trânsito, etc..., para usá-lo de forma adequada, na criação de novos hábitos – mais sadios e eficazes - e aumento de nossa interatividade com o outro, sem querer ter razão em tudo e sendo mais condescendentes com o próximo, mesmo a distância. Maximizar emoções positivas podem fazer toda a diferença em nosso desempenho. Substituem muito bem, por exemplo, o excesso de bebida, de alimentos não saudáveis, de drogas e de compras compulsivas.

Vamos usar o tempo em uma introspecção sadia, deixando de lado os pensamentos negativos – afinal, em nada eles irão alterar os fatos presentes e sequer terão qualquer utilidade no futuro. Deixe de associar sua vida a uma dificuldade constante. A resiliência sempre foi características dos vencedores. Maratonistas também precisam de descanso para se recuperarem e irem mais distantes. Sua única alternativa, neste momento, é ser forte. E Deus protege os fortes... Os que vão à luta... Os que desbravam os mares e se lançam, sem muitas certezas, aos ventos que impulsionam a vela do barco para um destino incerto, mas que, por uma palavrinha pequenininha como “Fé” fazem tudo acontecer. Fé é algo que ninguém sabe explicar, mas que todo ser humano livre sabe entender... É como canja de galinha... Uma panaceia que serve pra tudo. E, se não nos custa nada, que sejamos positivos para com ela. Se vamos ter, para a maioria, tempos difíceis, provocados pela escassez de dinheiro circulante no mundo físico, aprenda a fazer vendas pela internet, B2B ou B2C – produtos próprios ou intermediação de venda de produtos de terceiros. Crie grupos úteis com aqueles amigos da sua área – concorrentes ou não -, esbanje criatividade nas campanhas de marketing digital, una forças com quem domine uma área melhor que você – por exemplo, que saibam criar lojas virtuais – e, indiferente as dificuldades, comece... Não espere a crise passar – porquê ela só passará para quem estiver usando o tempo atual para se preparar.

Então, coloque o celular no silencioso. Desligue a TV. Enxugue as lágrimas. Abandone as lamentações. Trabalhe com o possível: seja de recursos financeiros ou mesmo intelectuais. Monetize o que você sabe; maximize o que você tem... Preencha as lacunas com o conhecimento e/ou recursos de terceiros e faça acontecer... Pode errar no início... Pode errar mais uma vez... Outra... Seja resiliente e vença... Mova-se... Prefira sempre a Ação à Inação... A estagnação e o desalento em nada lhe ajudarão no momento presente... E quando ver, a oportunidade ficou no passado... Comece e aprenda “novamente” a fazer acontecer... Mais do que saber respostas, o importante é fazer perguntas. Use o tradicional método 5W2H e vença, porque você é capaz. E, disto, eu não tenho dúvidas, porque é tempo de você acreditar na única pessoa que fará diferença neste momento: Você. Você não é mais quem foi ontem... Não pode mais pisar sobre a mesma água do rio que já passou. Foque na nova jornada, não somente na conquista. Afinal, o que para você é mais importante hoje: Fama, muito dinheiro sem um fim em si mesmo, poder, o sexo pelo sexo ou o toque de um outro ser humano, de quem, mais que o corpo, lhe debruce a alma, através daquele olhar magnético que só os cumplices podem dar? O que realmente conta? Você precisa de muito ou simplesmente, no momento, do básico para lhe trazer a satisfação e contentamento pleno?

Talvez procure nos galhos o que só é possível encontrar em suas raízes. Pare!!! Pense no rumo que tomaremos e o que realmente queremos almejar, com planejamento e disciplina. Trabalhar excessivamente, sem pausas para se dar conta do quanto é privilegiado pelo que você tem ao redor, sem usufruir de forma plena, é viver em vão. Adversidades fazem parte do caminho desde as priscas eras... Entretanto, tolerando algum desconforto, focando na jornada e não na conquista imediata, sempre vencemos... E vamos continuar vencendo. Se quiser outras dicas de cunho prático, sugiro que leia – ou releia -, nesta coluna, o meu artigo da semana anterior, intitulado “Procrastinação, Disciplina & Novos Hábitos”. No mais, é meu desejo que você fique em paz, que sua trilha seja a menos dolorida possível e que você fique bem. Fê em Deus, no externo e naquele interno, que habita em você e que, por motivos diversos, você tem deixado um pouco adormecido. Desperte-o. Até nosso próximo encontro, no artigo da semana que vem. Sapientia.´. Salus .´. Stabilitas.´.

196 visualizações

Copyright  Absolute Rio. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.  Site art by MARISA ARAUJO