top of page

“Perícia Lab”, novo "true crime", tem estreia marcada para dia 17 de outubro

A série documental apresentada pelo ator André Ramiro é uma coprodução

entre a Sony Pictures Television e a Mood Hunter


Passando por sua primeira experiência como apresentador, o ator André Ramiro, realmente descobriu que "a vida real pode assustar mais que a ficção". Ao lado do perito criminal Ricardo Salada e da fotógrafa pericial Telma Rocha, os três estão à frente da nova série original do canal AXN, o “Perícia Lab”, uma coprodução entre a Sony Pictures Television e a Mood Hunter.

O projeto foi pensado para os fãs brasileiros de séries criminais e de investigação, como Bright Minds, Criminal Minds, Hawaii Five-0, CSI e NCIS. Porém, diferentemente das narrativas ficcionais, na nova série documental o público vai entender realmente como se soluciona um crime no Brasil.

A estreia acontece no dia 17 de outubro, às 22h55, no AXN. "Perícia Lab" vai recriar casos de crimes reais pelo ponto de vista do perito criminal. Em um laboratório cenográfico criado para fazer experiências de ciência forense, especialistas vão explicar de que forma utilizam diferentes técnicas para resolver os crimes.

Cada episódio vai chamar a atenção para uma técnica específica e como ela pode ser essencial para a investigação, além de apresentar curiosidades sobre elas. Serão abordados crimes emblemáticos, como o do Maníaco do Parque. O perito criminal Ricardo Salada e a fotógrafa pericial Telma Rocha, que trabalharam em casos como o de Elize Matsunaga, vão explicar como funcionam seus trabalhos investigativos.

O ator carioca André Ramiro foi escolhido para narrar e apresentar a produção por ter em sua bagagem artística trabalhos com essa temática:


"Eu acho o universo da investigação muito interessante e, modéstia à parte,

vou me permitir dizer que eu seria um bom investigador. Porque séries como

‘C.S.I.' e outras são séries que tenho verdadeira paixão e que, geralmente, me

imagino fazendo um personagem como aquele. O mais interessante desse universo

é a parte psicológica e intuitiva da coisa. Eu geralmente sou ligado a esse tipo

de tema e o 'Perícia Lab' está sendo uma novidade, me permitindo ter

acesso a um universo que eu não tinha acesso".




ANDRÉ RAMIRO

Além de ator, André Ramiro também é rapper, mas “Perícia Lab” é o primeiro trabalho de Ramiro como apresentador de uma série.

Em 2013, ele dublou Kimble Iris Graves, personagem de “Battlefield 4” e, em 2019, gravou dois audiobooks: “Infiltrados na Klan”, de Ron Stallworth, e “Os Meninos de Marte”, do premiado autor Ziraldo.

Estreou nos cinemas em “Tropa de Elite” e “Tropa de Elite 2 – O Inimigo Agora é Outro”, de José Padilha, filmes que lhe renderam diversos prêmios; e também participou dos longas-metragens “Última Parada 174”, de Bruno Barreto, e “Trash – A Esperança Vem do Lixo”,de Stephen Daldry. Recentemente, trabalhou em novelas e séries como "Genesis" (Record),"Malhação: Toda A Forma de Amar" (Globo)e "Rio Heroes" (Fox Premium). Ricardo Salada Formado em engenharia elétrica pela PUC/RS, Ricardo Salada foi parte da Superintendência da Polícia Técnico-Científica como perito criminal no Departamento Estadual de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP) desde 1993. Salada atuou em diversos casos notórios, como o de Suzane Von Richthofen, de Elize Matsunaga, de Sérgio Nahas e de outros. Ele tem muita experiência em entrevistas e podcasts. Telma Rocha Telma Rocha é fotógrafa na Superintendência da Polícia Técnico-Científica do Estado de São Paulo. Ela trabalhou28 anos na equipe de Investigação Criminal do DHPP e também participou da investigação de casos importantes no estado de São Paulo. Rocha trabalha em cenas de crime, construindo uma lógica e uma história ilustrativa baseada nas evidências que tem em mãos. Ela teve experiência com câmeras, aparecendo em programas como A Liga (Bandeirantes), Programa do Porchat (Record) e vários podcasts.


SINOPSES CAPÌTULOS: Ep. 01: Sem pé nem cabeça

Um caso que literalmente parou a cidade de São Paulo. Vários pedaços de corpos com e sem pele são encontrados em sacos de lixo em diferentes locais do centro, próximos ao cemitério da Consolação. Dias depois, uma cabeça desfigurada é encontrada na Praça da Sé. As partes encontradas pertenciam ao mesmo corpo? A resposta é sim. Através de técnicas 3D, a perícia conseguiu reconstituir o rosto da vítima e abriu caminho para a identificação do cadáver. Analisando câmeras de segurança da região, 3 mulheres são vistas largando sacos pretos pela região. Através de análise de fios de cabelo deixados nos sacos e rastreamento de ligações no celular da vítima, chega-se até as suspeitas. Qual era a ligação com a vítima? E por que cometeram esse crime? Experimentos realizados no laboratório do programa:

  • Reconstituição facial 3D

  • Teste de reconhecimento de rosto

  • Análise de ferimentos e instrumentos de corte

Ep. 02: Entrequatro paredes

Uma mulher sai para trabalhar, e nunca mais volta. A família não sabe de seu paradeiro. O marido vai a delegacia pedir ajuda. Após uma investigação preliminar, a perícia desconfia que há algum mistério entre as quatro paredes da casa. Com o uso de luminol, encontram sangue na casa. A quantidade de pistas contra o marido só aumentam. Ele acaba sendo colocado contra a parede pela polícia, e confessa que matoue emparedou a esposa na sala onde os filhos brincavam. Experimentos realizados no laboratório:

  • Deslocamento e localização por ondas de celular (ERB – Estaçõesde Rádio Base)

  • Luminol (para encontrar vestígiosde sangue)

  • Morfologia do sangue (perito explica que informações os desenhos formados pelas manchas de sangue podem trazer).

Ep03: Cada escolha, uma sentença

Um perito papiloscopista é assassinado na porta de casa, em seu primeiro dia de férias. O caso comove toda a corporação, pois a vítima, além de colega de profissão, era amigo de vários peritos e policiais - sua resolução se transforma praticamente em uma questão pessoal. O crime teria sido por vingança ou queima de arquivo? Uma grande operação é feita na Zona Norte de São Paulo e, graças a um boné esquecido na cena do crime e técnicas avançadas de DNA, a perícia consegue resolver o mistério. Experimentos realizados no laboratório:

  • Análise da trajetória da bala

  • Análise funcionamento de arma

  • Preservação de local do crime

  • Reconhecimento facial com voluntários

Entrevista com André Ramiro:

Como você define o Perícia Lab? - Eu defino o Perícia Lab como um doc reality. Um programa interessante, de um universo que a gente não tem muito acesso e que eu acredito que vai ser sucesso. Porque tem esse frescor. Até então, não existia programa no Brasil com esse formato. Temos o privilégio da novidade e acho que o espectador vai gostar muito.

Como é a experiência de narrar uma série documental brasileira em formato documental? - Foi muito intenso. O universo forense é muito técnico, tem termos que não são naturais para pessoas que não participam. Mas acredito que vai dar acesso ao espectador a esse mundo. Também foi puxado porque tem muito texto - e a gente vai buscando sempre a melhor interpretação, mas está sendo muito proveitoso e divertido. A série traz um pouco de ironia e bom humor para trazer o espectador para perto.

Fale um pouco da sua trajetória no cinema. - É um tanto peculiar. Antes de me tornar ator, eu participava de batalhas de MC. Fui campeão de algumas edições da primeira batalha de MCs do Brasil - a batalha do Real. E até então eu tinha o sonho de gravar o meu disco. Mas um amigo que eu conheci deu o meu nome para o pessoal da produção do filme “Tropa de Elite”, me ligaram me chamando para fazer um teste e, a partir daí, as coisas foram acontecendo. O mais interessante disso é que, antes de estar diante das telas, eu estava diante das salas - eu trabalhava como porteiro de cinema, pegando bilhete, recebendo as pessoas. O universo é muito poderoso, né? Quando a gente brinca de imaginar onde a gente quer estar, de uma maneira genuína, ele te dá as oportunidades. O universo faz conspirar a favor para que você chegue lá. Sonha. O bom é brincar de imaginar - e se preparar para este momento.

Com o “Tropa de Elite” e agora com o “Perícia Lab”, você acha que tem alguma relação com o tema crime? Você se identifica?

- Por ter feito o “Tropa de Elite, sou bastante ligado a esse tema. Eu acho o universo da investigação muito interessante e, modéstia à parte, vou me permitir dizer que eu seria um bom investigador. Porque as séries “C.S.I”, “Mind hunter”, entre outras, são séries que tenho verdadeira paixão e que, geralmente, me imagino fazendo um personagem como aquele. O mais interessante desse universo é a parte psicológica e intuitiva da coisa. Eu geralmente sou ligado a esse tipo de tema e o “Perícia Lab” está sendo uma novidade, me permitindo ter acesso a um universo que eu não tinha acesso, assim como para o espectador.

Comente o que achou mais impressionante até agora nos crimes? - Eu já pensava nessa forma, mas tendo acesso a essas histórias que a gente narra no programa, a gente chega a conclusão de que realmente a realidade assusta muito mais que a ficção. Tem casos que são tão trágicos que chegam a ser engraçados. Certas atitudes ou certas mentiras que o criminoso conta para tentar se safar, mas que não adiantam de nada. Acho que o espectador vai se divertir bastante com o nosso programa. Tem casos que espectador vai olhar e pensar: não acredito que essa pessoa fez isso? Faz parte da natureza humana,de certa forma. Tem pessoas que desenvolvem um lado da sua natureza que são realmente bizarros e assustadores.

E a técnica mais impressionante utilizada? A técnica que me chamou mais atenção foi a com luminol. A gente vê em filmes que o assassino limpa o sangue, limpa as impressões digitais… mas tem um líquido, chamado luminol, que acusa a qualidade do sangue e até o DNA e o frescor do sangue. Tem uma história em que o criminoso pisa no sangue e limpa o sapato, mas passam o luminol e descobrem que tinha o sangue da vítima ali.

É a sua primeira experiência como narrador/apresentador de uma série? De fato, é a minha primeira experiência. Já apresentei outras coisas, já fui mestre de cerimônia, mas considero que essa foi a primeira oportunidade como apresentador. Estou muito grato e muito honrado por terem pensado em mim.

Você já disse que é fã do gênero. O que acredita que mais vai atrair o público nessa produção?

Os fãs do gênero têm que assistir porque eles vão ter a chance de conhecer um pouco mais desse universo além do que se vê nas séries ficcionais. Vamos falar de crimes reais e de alguns que até se tornaram muito famosos aqui no Brasil. E vamos apresentar os profissionais que trabalham na área e dar acesso a esse universo de uma maneira muito interessante. Para quem quer se tornar um detetive ou um perito ou só aspiraesse mundo, vale muito a pena assistir. Entrevista com Ricardo Salada

Como você define o Perícia Lab?

Eu defino como algo extremamente prazeroso. Nada é mais prazeroso do que transmitir para as pessoas o que te faz feliz. E o meu trabalho me faz muito feliz. “Perícia Lab” está reconhecendo o que fazemos. Conseguir divulgar parte do nosso conhecimento para a população é extremamente gratificante.


Como pretende emprestar sua experiência de campo para a série? Eu sou uma pessoa que não escondo nada. Acho que as pessoas que querem ver a série, querem ver como funciona a perícia no Brasil. A gente vai tentar transmitir qual a atuação do perito criminal, do fotógrafo técnico pericial e outras carreiras dentro da nossa realidade - e não da realidade de outros países.

Poderia comentar a forma de investigação no seu trabalho de perito criminal? A investigação é detalhe, é você conseguirlevantar provas, levantarevidências. Trazer aos olhos nus o que está latente. Tem que trazer essa revelação, estudar essa evidência, relacionar essa evidência com o crime e tornar provadentro de um processo judicial.

Que detalhes interessantes você pretende revelar para o público que é fã de séries criminais? A verdade. Algumas séries criminais têm uma colocação muito utópica: uma pessoa consegue deixar um vestígio que leva diretamente ao autor do crime. Mas, na realidade, não é isso o que acontece. O que temos é a parte de um vestígio, a parte de algum resíduo que temos que analisar isso comum todo. Às vezes, alguns filmes tornam a perícia algo fácil. Mas não é nada fácil - pelo menos aqui no Brasil. Não temos um período de folga. A gente quer esclarecer, quer ver o resultado que o laboratório fez com a mostra que a gente acha que é importante, que a gente acha que vai elucidar o caso. A gente sempre fica com a expectativa de que todo o trabalho, tanto do perito de campo quanto do perito de laboratório, se concatene de uma forma que o resultado seja positivo lá na frente. É todo um trabalho de várias pessoas que visam a elucidação de um crime.

Como pretende auxiliar nas reconstituições dos crimes? Eu trabalhei muito tempo em reprodução simulada. A gente trabalha para tentar formar uma cena, dentro das possibilidades, o mais real possível. Para poder transmitir para as pessoas que estão acompanhando que o detalhe é extremamente importante, que o trabalho de cada um da equipe é extremamente importante. O perito de campo tem a responsabilidade de fazer aquela coleta, fazer a análise no campo. Mas o resultado é sempre do trabalho da equipe. TRAILER DA SÈRIE - https://www.youtube.com/watch?v=A0siEnNy0BA

Entrevista com Telma Rocha

Como você define o Perícia Lab?

Eu defino o Perícia Lab como um experimento muito bacana no Brasil. Porque estamos tendo a oportunidade de mostrar o que acontece no local do crime.

Como pretende emprestar sua experiência de campo para a série? Retratando como exatamente uma cena de crime acontece. Tem que ter o fotógrafo para registrar tudo - e isso não deixa de ser a fixação da prova. Estou perpetuando aquela prova numa imagem.

Como pretende auxiliar nas reconstituições dos crimes? A reconstituição do crime na vida real é uma das partes mais interessantes da perícia porque é quando você tem a possibilidade de ver o contraditório acontecendo. Aqui, é gostoso reconstituir a cena porque é reviver aquela cena e saber que deu certo, e lembrar de quão importante você foi naquele momento. Perícia Lab Classificação indicativa: 16 anos

Estreia 17 de outubro,

Horário: às 22h55

Canal AXN nas principais operadoras:

HD – Claro: 635 / SKY: 36 / Vivo: 94, 852, 644 / Oi: 69

댓글

별점 5점 중 0점을 주었습니다.
등록된 평점 없음

평점 추가
bottom of page