top of page

Economia azul, G20 e hub de inovação foram temas de seminário


O uso sustentável dos recursos hídricos – chamado de Economia Azul - movimenta por ano U$ 2,5 trilhões de dólares, equivalente à sétima economia do mundo. Turismo, transporte marítimo, atividades portuárias, energia renovável, entre muitas outras atividades econômicas a partir de rios, lagoas e oceanos são projetos comuns na Europa que podem ser replicados no Brasil com grande sucesso, segundo os palestrantes do Comex Day, realizado pelas Câmaras de Comércio, Indústria e Serviços do Brasil (Cisbra) e Comércio e Indústria do Estado do Rio de Janeiro (Caerj), em parceria com o Governo do Estado do Rio de Janeiro.


Com foco no desenvolvimento socioeconômico sustentável brasileiro e, especialmente, fluminense, o evento teve como pano de fundo o Grupo das 20 maiores economias do planeta (G20) que será no Brasil no ano que vem. O governo do Estado do RJ pleiteou à Presidência da República que a sede do G20 seja a capital fluminense e aguarda a resposta.


“A mudança que a gente precisa está em curso, vamos surfar nela até o fim! O surfista precisa de uma grande onda, certo? Nós temos a prancha, que é a Agenda da ONU Rio 2030, e a onda, o G20. Então por que não surfar até chegar na praia?”, destacou presidente da Cisbra e diretor executivo da Autoridade de Desenvolvimento Sustentável do Estado do RJ, Paulo Protasio.


O Comex Day apresentou projetos que geram negócios e colocam o Rio de Janeiro como referência mundial em sustentabilidade, como o Bolsa Verde, plataforma de negociação de ativos sustentáveis, e o BlueTech, o primeiro hub de inovação do país. Outro projeto anunciado foi o estudo que identifica a melhor vocação econômica para 75 imóveis públicos subutilizados ou sem uso no centro do Rio, uma realização do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) em parceria com a Companhia Carioca de Parcerias (CCPAR).


Para o presidente da Caerj, Ricardo Mota, o encontro trouxe informações e ações que ajudam a sensibilizar, tanto a sociedade, quanto as instituições, dessa nova realidade de responsabilidades socioambientais. “Renovamos missão e visão para torná-las totalmente alinhadas com os objetivos da sobrevivência humana”, concluiu.

MPF Comunicação – Midiática: Palavra & Foco

Patrícia Fernandes (21) 99596-7085 patricia.fernandes@mpfcomunicacao.com.br

Caio Avelino (21) 98276-2187 caio.avelino@mpfcomunicacao.com.br

bottom of page