top of page

Adibra e Sindepat apresentam Panorama do Setor de Parques e Atrações

Estudo mostra mercado com 89 milhões de visitantes anuais no Brasil e investimentos superiores a R$ 13 bilhões

O potencial de desenvolvimento do setor de parques, atrações turísticas e entretenimento no Brasil, mercado com 89 milhões de visitantes anuais, é comprovado pelo estudo “Parques, atrações turísticas e entretenimento no Brasil – Panorama Setorial e novos investimentos”, idealizado pelo Sistema Integrado de Parques e Atrações Turísticas (Sindepat) e pela Associação Brasileira de Parques e Atrações (Adibra), e produzido pela empresa Noctua, especializada em inteligência de mercado em hospitalidade e entretenimento.

Entres os dados levantados pelo estudo, há pelo menos 63 novos projetos de parques e atrações em estruturação, somando investimentos de R$ 9,6 bilhões. Entre os 63 projetos, ao menos 31 têm abertura programada para este ano. Além desse montante, os parques e atrações já instalados têm reinvestimentos da ordem de R$ 3,7 bilhões para os próximos anos.

“Esses números comprovam a percepção que tínhamos da forte expansão do nosso setor. Ao longo do ano passado, como mostra o estudo, parques e atrações recuperaram o número de visitantes, com muitos superando os índices pré-pandemia”, avalia o presidente do Conselho do Sindepat, Murilo Pascoal.

“A recuperação da visitação é fundamental para a retomada dos investimentos, assim como os incentivos governamentais que ajudaram o setor a sobreviver e manter empregos no período mais duro da pandemia. O estudo nos mostra que estamos falando de um mercado anual de 89 milhões de visitantes no Brasil, com expectativa de crescimento de 18% ainda neste ano”, completa Murilo.

A presidente da Adibra, Vanessa Costa, destaca também as medidas governamentais que beneficiaram o setor, em decorrência da pandemia, como fundamentais para o alto volume de investimentos. “Os incentivos fiscais concedidos possibilitam a manutenção das operações das empresas do setor, a realização de investimentos e motivam, inclusive, o aumento dos volumes investidos”, defende. Os investimentos previstos acontecem em ao menos 16 estados e devem criar 11 mil empregos diretos.

Com faturamento de R$ 7,1 bilhões no ano passado, as empresas do setor foram divididas em seis grupos para criação do primeiro Panorama Setorial: parques temáticos; parques aquáticos; parques naturais; parques itinerantes; atrações turísticas; e Centros de Entretenimento Familiar (FECs). “Não se trata de um censo da oferta. Mais do que dizer, neste primeiro estudo, qual é a totalidade de empreendimentos no Brasil, identificamos os 500 principais e os grandes números a eles relacionados. Nosso estudo considerou essas seis categorias, com grande diversidade entre si”, conta o fundador e managing partner da Noctua, Pedro Cypriano. O Panorama Setorial Geograficamente, as mais de 500 empresas identificadas no estudo espalham-se por 24 estados, com predominância na região Sudeste (44%); Nordeste (23%) e Sul (17%), mostrando concentração nos principais eixos urbanos e turísticos. Com faturamento de R$ 7,1 bilhões no ano passado, as empresas do setor atuam em um mercado com 89 milhões de visitantes anuais, demonstrando claro potencial de crescimento, considerando o boom vivido pelo turismo no mundo, e de modo bem relevante no Brasil.

Responsável por 35 mil empregos diretos, o setor é fortemente impactado pela sazonalidade, chegando a contratar outros 13 mil funcionários temporários nas altas estações. “Os parques e atrações são âncoras do desenvolvimento turístico, impactando fortemente na economia em que estão inseridos e com grande geração de empregos indiretos”, ressalta Murilo Pascoal. Segundo estimativas do Sindepat e da Adibra, o setor responde por mais de 130 mil empregos indiretos. “Também temos uma importância significativa na entrada de jovens no mercado de trabalho, o que nos traz a responsabilidade da capacitação de mão de obra”, acrescenta a presidente da Adibra.

Um dos dados apontados pelo estudo é a confluência de entretenimento com outros negócios, uma vez que 25% da oferta analisada (com exceção dos FECs e dos parques itinerantes) estão atreladas a algum negócio complementar, como hotelaria, timeshare ou multipropriedade. “A sinergia entre os diferentes modelos de negócio é notória e tem propulsado inúmeros investimentos no Brasil, como mostra o perfil dos futuros investimentos”, analisa Cypriano.

Em relação ao perfil da demanda, as famílias com crianças ou jovens de até 17 anos representam 41% das respostas dos parques fixos e atrações turísticas, e 52% dos FECs e dos parques itinerantes. Nesses, até 58% têm renda familiar de até R$ 7 mil, enquanto nos parques fixos e atrações esse índice é de 51%. Enquanto os parques fixos têm 58% das respostas de visitantes regionais e nacionais (distância superior a 100 km do projeto), 58% das respostas dos FECs e parques itinerantes é local. Os investimentos Entre novos projetos e novas atrações nos empreendimentos já instalados, o montante de investimentos apontado pelo estudo ultrapassa os R$ 13 bilhões. “Nossa indústria vive de inovação. São as novidades que garantem o retorno dos visitantes, por isso muitos dos parques e atrações já têm investimentos programados no médio e longo prazo”, explica Murilo Pascoal. Segundo o estudo, a média de reinvestimento nos parques e atrações instalados corresponde a aproximadamente 7% do faturamento anual das empresas para os próximos três anos. A pesquisa aponta ainda que a confiança no setor é alta, mas o cenário macroeconômico pode ser um risco. “É alta a crença no potencial do setor de parques, atrações turísticas e entretenimento no Brasil. No entanto, alguns fatores também preocupam os empresários, com destaque à disponibilidade de mão de obra qualificada e às incertezas macroeconômicas”, avalia o managing partner da Noctua. “Volume de visitantes, poder de consumo e infraestrutura do país tiveram notas moderadas, com potencial de melhoria”, completa.


Highlighs: 89 milhões de visitantes/ano 18% de expectativa de aumento de visitantes em 2023 R$ 7,1 bilhões de faturamento R$ 9,6 bilhões em investimentos em novos projetos R$ 3,7 bilhões em reinvestimentos nos próximos 3 anos + de 35 mil empregos diretos e projeção de 11 mil novos postos de trabalho + de 130 mil empregos indiretos Sobre a Adibra A Associação Brasileira de Parques e Atrações foi criada em 1989 e reúne mais de 100 empresas filiadas, que representam 450 empreendimentos, entre parques aquáticos, temáticos, itinerantes, de trampolim, aquários, atrações turísticas, Centros de Entretenimento Familiar (FEC´s), jogos eletrônicos, buffets infantis e fornecedores do setor. A missão da Adibra é promover a união e desenvolvimento sustentável do setor, consolidando a cultura da segurança e da excelência por meio da educação, inovação, ética e responsabilidade social. Sobre o Sindepat Fundado em 2003 pelos principais parques e atrações turísticas do Brasil, o Sindepat é uma associação sem fins lucrativos que representa e defende os interesses do setor junto aos Poderes Legislativo e Executivo, imprensa e mercado. O objetivo é estabelecer bases sólidas para um contínuo e saudável crescimento dos negócios no País.

Comments

Rated 0 out of 5 stars.
No ratings yet

Add a rating
bottom of page